Carregando...
Agendamento: RS +55 (51) 4063.8333, RJ +55 (21) 4063.8333, SP +55 (11) 4063.3338
De segunda-feira a sexta-feira das 8h às 20h | Sábado das 9h às 15h
Voltar

Blog

Voltar

Clínica de medicina estética publica oito artigos científicos em revistas internacionais

Publicado pela revista Exame dia 27 de dezembro de 2019

Investigar a real eficácia e segurança das inúmeras técnicas e aparelhos que prometem resultados estéticos expressivos em curto período é o principal objetivo do grupo de pesquisa da Clínica Leger. Apenas em 2019, foram oito artigos publicados em revistas científicas internacionais*, a maioria deles observando casos em que o preenchimento com PMMA fazia parte do tratamento, seja para fim estético ou reparador.

Segundo o Dr. Roberto Chacur, que coordena o Grupo de Pesquisa, o PMMA é uma substância particulada utilizada há mais de 70 anos na medicina, sendo 30 deles como preenchedor de tecidos moles. “Ainda existem poucos estudos científicos sobre essa substância e infelizmente, apesar de menos frequentes, os casos de complicação recebem uma divulgação muito maior”, ressalta o médico sócio-fundador da Clínica. No mercado há 12 anos, a Leger é referência em preenchimento, laser e cirurgia plástica estética e reparadora, com unidades em Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto de Galinhas.

Preenchimento de glúteos com PMMA é seguro?

Conforme o estudo publicado em maio de 2019 pelo Grupo de Pesquisa Leger na revista Plastic and Reconstructive Surgery, a resposta é sim. O artigo relata 10 anos de acompanhamento de 1.681 pacientes que realizaram 2.770 sessões para aumento de glúteos com PMMA. O estudo revela índice de complicação em apenas 1,88% dos casos quando o procedimento é realizado por médico experiente com produto aprovado pela Anvisa e em ambiente com alvará da vigilância sanitária.

A revista é um dos periódicos mais renomados do mundo, ligado à Sociedade Americana de Cirurgia Plástica. Além da comprovação científica dos baixos riscos do procedimento, o estudo contrapõe dois dos principais questionamentos sobre o produto, mostrando que não existe ligação direta entre o volume de PMMA injetado ou o tempo de permanência do produto no corpo com o desenvolvimento de qualquer efeito adverso. Outro dado importante trazido pela pesquisa foi de que o aumento de glúteos com PMMA possui risco menor do que métodos consagrados como gluteoplastia e lipoescultura, que em estudos comparativos apresentaram taxas de complicação de 30% e 10%, respectivamente.

Para uma das pesquisadoras, a médica Danuza Dias Alves, os três requisitos fundamentais para realização de um procedimento seguro estão na escolha do profissional, do ambiente e do produto. “Na maioria das vezes casos de complicação têm como protagonistas profissionais não médicos que realizaram o procedimento em local sem higiene adequada ou com produtos não aprovados pela Anvisa”, alerta. Lembrando que a utilização de silicone líquido ou hidrogel no lugar de PMMA também é uma prática comum.

PMMA no tratamento da celulite

O PMMA em baixas concentrações também pode ser utilizado no tratamento da celulite para estimular o colágeno. A técnica foi relatada no primeiro estudo científico sobre Tratamento de Celulite utilizando Subcisão e Preenchimento com PMMA publicado na Indian Journal of Applied Research. Denominado Goldincision®, o método já havia sido descrito no livro “Ciência e Arte do Preenchimento” escrito pelo Dr. Chacur em 2018 e apresentado para comunidade médica em abril no XVI Congresso Mundial de Medicina Estética em São Paulo e em junho no Congresso Mundial de Dermatologia na Itália. A associação de subcisão e preenchimento permite não apenas reduzir as ondulações, mas também a promover a bioestimulação de colágeno, que reduz a flacidez e ajuda a modelar o contorno corporal.

Outros estudos

Em janeiro o Grupo de Pesquisa Leger publicou na revista Plastic Surgery and Hand Surgery um relato de caso sobre Substituição de Implante de Glúteo por Preenchimento com PMMA sem complicações após acompanhamento por cinco anos. Em fevereiro um novo estudo de caso foi publicado na Biomedical Journal of Scientific & Technical Research, relatando uma aplicação de PMMA para Correção de Síndrome de Poland, condição rara caracterizada pela atrofia ou ausência do músculo peitoral maior, como a apresentada pelo ex-campeão de Fórmula 1 Fernando Alonso.

Em abril a Plastic Surgery and Hand Surgery Journal publicou o relato de um caso de Correção Estética de Lesão por Infiltração de Corticoide Pós-lipoaspiração utilizando subcisão, preenchimento com PMMA e laser de CO2 fracionado. A associação de técnicas permitiu restaurar a aparência da área tratada com a contribuição importante do PMMA na bioestimulação de colágeno para tratamento da atrofia causada pela aplicação do corticoide.

Em outubro a Revista indiana de Pesquisa Aplicada publicou um estudo de caso sobre Tratamento para Flacidez do Pescoço com Preenchimento com PMMA, Ultrassom Microfocado e Laser CO2 com radiofrequência. O relato mostrou mais uma vez a eficácia da associação de técnicas e da bioestimulação de colágeno.

Completam o produtivo ano de pesquisa da clínica outros dois trabalhos não relacionados ao PMMA. O primeiro, publicado em fevereiro na Indian Journal of Applied Research, apresentou nível de satisfação de mais de 90% com a fotodepilação realizada por dois aparelhos de luz intensa pulsada (LIP). O segundo, publicado em agosto na mesma revista, não identificou relatos de vermelhidão persistente, queimadura ou necrose na Aplicação Multi-regional de Criolipólise com Coolsculpting®, aparelho aprovado pela Anvisa e FDA.

Para os médicos que integram o grupo de pesquisa, é fundamental entender autoestima e bem-estar como partes inalienáveis da saúde, especialmente na área de medicina estética. A intensa produção científica, ressaltam, demostra o compromisso da Clínica Leger em contribuir com a comunidade médica e desenvolver um relacionamento transparente com seus colaboradores, parceiros e pacientes na busca de viver mais e com mais qualidade de vida.

*Todos os trabalhos foram aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa.


Redação: Vinícius De Macedo Berghahn