Carregando...
Agendamento: RS +55 (51) 4063.8333, RJ +55 (21) 4063.8333, SP +55 (11) 4063.3338
De segunda-feira a sexta-feira das 8h às 20h | Sábado das 9h às 15h
Voltar
Preenchimentos Corporal

Preenchimento para Síndrome de Poland

Síndrome de Poland é a hipotrofia do músculo peitoral maior que causa assimetria do tórax. O tratamento para síndrome de Poland pode ser realizado por preenchimento com bioplastia, uma alternativa à cirurgia. Exercícios ou fisioterapia costumam não resolver, pois em alguns casos o músculo peitoral é inexistente.

O tratamento da síndrome de Poland com bioplastia é realizado através de preenchimento peitoral com implantes líquidos para aumento de volume e definição. A técnica minimamente invasiva é realizada no próprio consultório médico com anestesia local e paciente acordado, sem internação, sem cirurgia e com reduzido tempo de recuperação. O paciente pode apresentar, inchaço, hematomas discretos e sensibilidade local, mas não há necessidade de repouso para recuperação. A rotina pode ser retomada no mesmo dia, as únicas restrições são evitar a exposição solar e a exercícios físicos por sete dias.

Tratamento de síndrome de Poland com preenchimento peitoral

O preenchimento é um método de implante que utiliza substâncias líquidas injetáveis por microcânulas para correção de assimetrias e definição de contorno facial ou corporal sem cicatriz. A técnica possui uma ampla possibilidade de aplicações pois a maleabilidade dos implantes permite sua distribuição em diversas regiões e volumes. O preenchimento pode ter ainda finalidade estética ou reparadora, como no caso da correção da síndrome de Poland.

A bioplastia peitoral também é indicada para pacientes com hipotrofia ou assimetria muscular e para pessoas com desproporção corporal nesta região que não conseguiram um maior desenvolvimento por meio de exercícios físicos. O conteúdo publicado aqui é informativo e tem o propósito exclusivo de esclarecimento da sociedade, a realização deste tratamento depende de avaliação médica presencial.

Para saber mais acesse o relato de caso publicado pelo Grupo de Pesquisa Leger na Revista Biomedical de pesquisa técnica e científica dos Estados Unidos.