Porto Alegre Rio de Janeiro São Paulo
Zoom + Zoom -
IN ES BR
Atendimento AGENDAR CONSULTA
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h.
Certificações Certificação CNPQ
Certificação ISO
Redes Sociais
Vídeos Instagram Publicações
Receber Notícias
E-mail:
Nome:
Leger Bioplastia Cirurgia Plástica Ginecologia Dermatologia Odontologia Fisioterapia Massoterapia Day Spa Nutrição Psicologia

Psoríase

Causas, sintomas, evolução e tratamento da psoríase

Psoríase são lesões avermelhadas que surgem especialmente na pele do couro cabeludo, cotovelo e joelho, na maioria das vezes revestidas por escamas brancas. Determinada geneticamente, a doença é resultado de uma ação indevida do sistema imunológico. Embora não tenha cura, pode ser controlada e não é contagiosa.

A psoríase é uma doença multifatorial, ou seja, que depende de vários fatores. Pesquisas mostram relação direta com os cromossomos 17, 27 e CW6, além de períodos de remissão de até sete meses mediante drogas imunobiológicas, de onde é possível deduzir os principais motivos da doença. Mas além deles, outros fatores estão envolvidos, como infecções bacteriana e viral; lesões na pele em geral, incluindo feridas, machucados, queimaduras de sol e picadas de inseto; medicamentos prescritos para transtorno bipolar, pressão alta e malária; e pacientes com sistema imunológico afetado por HIV/AIDS. Baixas temperaturas, pele seca e alguns comportamentos ajudam a piorar as lesões da psoríase, entre eles estresse, tabagismo, consumo excessivo de álcool e obesidade.

ilustração de célula epitelial com psoríase

Características semelhantes atrapalham a diferenciação da psoríase e de outras dermatoses como, eczema, micoses superficiais, sífilis secundária, e principalmente, dermatite seborreica. Para um diagnóstico preciso é necessário a análise de uma amostra do tecido. Embora seja mais comum entre os quarenta e cinquenta anos, lesões podem surgir na infância e na adolescência e serem diagnosticadas como dermatite seborreica. Nesse casos podem haver recidiva por volta dos 20 anos, quando a psoríase surge com aparência normal. Raramente motivo de preocupação física, a psoríase é muito mais um incômodo estético. O preconceito relacionado às lesões é muito comum, especialmente na juventude. Sendo a disseminação das manchas a principal consequência do abalo emocional sofrido. De forma geral, portadores de psoríase tendem a somatizar todo e qualquer problema psíquico na pele.

A psoríase aparece em diferentes formatos, saiba como identificar:

Psoríase Vulgar é o tipo mais comum da doença, apresentando lesões de tamanhos variados, delimitadas e avermelhadas, com escamas secas, aderentes, prateadas ou acinzentadas que surgem no couro cabeludo, joelhos e cotovelos. A Psoríase Invertida ocorre em regiões incomuns, ocasionando lesões mais úmidas em áreas de dobras como axilas, virilha e fossa cubital, a articulação mediana do braço.

Outra forma de psoríase muito comum é a Ungueal, lesões nos dedos das mãos e dos pés e também nas unhas. Comum em 90% dos casos, este tipo da doença pode preceder, suceder ou ser simultânea as lesões cutâneas. Crianças e adultos jovens geralmente são acometidos por Psoríase Gutata; pequenas lesões (pápula) em forma de gotas que surgem com maior frequência nas coxas e próximas do quadril e dos ombros, podendo aglutinar-se e evoluir para psoríase em placas, também chamada de vulgar.

Formas palmo-plantar de psoríase incluem fissuras nas palmas das mãos e solas dos pés, comprometimento articular, em caso de Psoríase Artropática, e o acometimento ungueal citado. Lesões com pus ou Postulosas podem ser localizadas em pés e mãos ou espalhadas pelo corpo ocasionando febre por poucas semanas. O quadro mais grave é o de Psoríase Eritrodérmica, quando as lesões atingem mais de 75% do corpo e há risco de vida.

ilustração de pé com psoríase ungueal

Quase metade dos adultos que terão psoríase apresentam uma versão da doença até os 16 anos. A psoríase em crianças e adolescentes é muitas vezes diagnosticada como dermatite seborreica. Após a primeira aparição a psoríase pode permanecer até a fase adulta, embora isso seja mais frequente em casos com antecedentes familiares. O surgimento precoce da psoríase em crianças não implica no desenvolvimento de versões graves da doença no futuro. Apenas 2% dos pacientes apresentam o problema antes dos dois anos de idade e a forma congênita é rara.

A psoríase em crianças manifesta-se de forma atípica tanto em placas quanto em gotas, com baixa escamação ao redor dos olhos, no peito ou na região genital. Quando surge no couro cabeludo, a psoríase em crianças revela uma lesão única, placas descamativas e mal delimitadas.  

Também similar a uma dermatite seborreica, a psoríase no idoso pode ser confundida com dermatite esteatósica, que são lesões ocasionadas pela redução de gordura na pele. O diagnóstico diferencial pode ocorrer pela grande quantidade de prurido em membros inferiores e couro cabeludo, principais áreas de ocorrência da psoríase no idoso. Apesar de manifestar-se na maioria da vezes de forma leve ou moderada, o tratamento é mais complicado devido à intolerância e interações medicamentosas.

Tratamento da psoríase

Via de regra a psoríase não provoca dor, mas fissuras palmo-plantares podem ocasionar incômodo. A coceira também não é uma característica comum das lesões de psoríase, contudo, esfregar o local pode acelerar a escamação e ocasionar sangramento. Os métodos básicos de controle da doença são hidratação adequada com cremes à base de ureia a 10%, lactato de amônia a 12%, vaselina ou derivados de alcatrão. Corticoides tópicos também podem ser aplicados, contudo é preciso cuidado diante dos efeitos colaterais deste tipo de medicamento.

Quando a psoríase se apresenta de forma moderada ou grave é indicado o tratamento com fototerapia e/ou medicamentoso, incluindo drogas imunossupressoras ou até imunobiológicas. A fototerapia é requerida para 25% dos doentes e pode ser utilizada em todas as variantes da psoríase. O efeito imunossupressor dos raios UVB, fazem da psoríase e do vitiligo as únicas dermatoses que melhoram com a exposição solar. Contudo, a exposição não pode ultrapassar 15 minutos diários e é preciso proteger a pele com creme hidrante sobre a lesão e bloqueador solar fator 30 na área adjacente. Como a psoríase pode ser facilmente influenciada pelas condições emocionais, muitas vezes é possível controlá-la sem usar droga nenhuma, apenas com exposição ao sol ou banho de luz e terapia de apoio.

Saiba mais sobre tratamento com banho de luz para psoríase no link abaixo.

Tratamento para Psoríase




clinica leger s�o paulo Clinica Leger Moema São Paulo

 

Clínica Maison Leger Porto Alegre
Clínica Leger Rio de Janeiro
Clínica Leger Recife