Agendamento: RS +55 (51) 4063.8333, RJ +55 (21) 4063.8333, SP +55 (11) 4063.3338
De segunda-feira a sexta-feira das 8h às 20h | Sábado das 9h às 15h
Voltar
Corporal Cirurgia Plástica

Lipoescultura

Lipoescultura é uma cirurgia plástica que transfere a gordura localizada extraída por lipoaspiração para aumento de glúteos, lábios, mamas, coxas, entre outros. A escolha da gordura como implante é um meio de reduzir consideravelmente as chances de rejeição ou alergia, uma vez que o implante é proveniente do próprio corpo.

O procedimento é teoricamente simples, sendo dividido entre a lipoaspiração do excesso de gordura localizada em determinada parte do corpo, seguida de sua purificação com retirada de sangue e anestésico para posterior implantação por lipoenxertia no local onde se deseja mais volume, normalmente os glúteos.

Devido a semelhanças entre as técnicas e suas áreas de aplicação, a lipoescultura muitas vezes é confundida com lipoaspiração e até com abdominoplastia. Contudo, a lipoaspiração pode acontecer independente da lipoescultura e o contrário não. Por sua vez, a abdominoplastia é prioritariamente uma cirurgia para tratamento da flacidez abdominal, que pode incluir ou não a retirada de gordura. Os procedimentos podem ser combinados se o paciente desejar e se houver indicação do cirurgião plástico.

Como é realizada?

Antes da cirurgia é necessária uma consulta presencial onde o médico irá avaliar o aspecto físico e o histórico clínico do paciente para verificar a necessidade e viabilidade da cirurgia. Podem ser necessários exames no pré-operatório que interferem no valor da cirurgia, assim como os custos de internação, que costuma ser de no mínimo 12 horas.

O tipo de anestesia também depende da avaliação, podendo ser anestesia local com possibilidade de sedação ou anestesia geral, dependendo da quantidade de gordura e das condições de saúde do paciente. Lipoescultura é uma técnica cirúrgica que associa lipoaspiração e implante de gordura para criação de volume e modelação facial ou corporal. A cirurgia pode durar de uma a cinco horas dependendo das dimensões da área a ser aspirada e da região a ser preenchida. Os riscos são embolia gordurosa e infecção, mas estudos¹ apontam complicações em apenas 10,5% dos casos.

Como é a recuperação?

A rotina pode ser retomada de dois a dez dias após o procedimento ou assim que não houver mais desconforto. Exercícios físicos são liberados de 20 a 45 dias após o procedimento. Durante o pós-operatório é necessário utilizar uma cinta elástica por cerca de um mês para reduzir a formação de edema e evitar a flacidez da pele. Os pontos podem ser retirados entre 7 e 14 dias, deixando cicatrizes reduzidas em regiões normalmente cobertas pelo biquíni. Edemas (inchaço) e equimoses (manchas roxas) são comuns e desaparecem naturalmente. Siga exatamente as recomendações de seu médico, a conduta do paciente também é fundamental para maior aproximação da aparência desejada. O novo contorno corporal pode ser percebido entre quatro meses e meio ano. Este não é um procedimento definitivo. Parte da gordura redistribuída será absorvida parcial ou totalmente pelo organismo assim como qualquer composto natural.

Lipoescultura masculina

A lipoescultura com enxerto no glúteo, buscando o efeito brazilian butt lift, está entre os objetivos mais procurados entre as mulheres. Para os homens, embora a técnica seja a mesma, as áreas a serem modeladas costumam ser diferentes, regiões como peitoral, braços e tornozelos estão entre as preferidas dos homens para receber o enxerto de gordura.

Este é um procedimento cirúrgico que só pode ser realizado em hospital e que como qualquer procedimento médico possui riscos. O médico irá avaliar a possibilidade da cirurgia em consulta presencial de acordo com as características físicas e histórico clínico do paciente. Procedimentos como drenagem linfática e ultrassom podem ser indicados para acelerar a recuperação. Converse com seu médico para alinhar expectativas antes e depois da lipoescultura.

¹ Oranges CM, Tremp M, di Summa PG, et al. Gluteal augmentation techniques: a comprehensive literature review. Aesthet Surg J. 2017;37:560–569